• _

O NoReset resetou para melhor!

Agora estamos no

www.noreset.net e no

www.noreset.com.br

Assine o nosso novo RSS:

http://feeds.feedburner.com/noreset/rss

 

novonoreset

Decisão da EA Brasil: fecha as portas ou encolhe

EA Brasil: fecha as portas ou encolhe?
A Electronic Arts Brasil vai fechar as portas do seu escritório. egundo o site EArena Games que entrou em contato com uma fonte da produtora, o escritório localizado no bairro Vila Olímpia, zona sul de São Paulo vai encerrar as suas atividades.
Há 12 anos no Brasil, a EA considerava o país um dos pontos estratégicos para o crescimento da empresa nos mercados emergentes.
Porém, os rumores foram confirmados por uma fonte interna entrevistada pelo EArena Games e até dezembro, a companhia deixará o país.
Os empregados são dispensados em grupos e até dezembro, a EA deixa de ter representação oficial.
A companhia, que fazia atualmente os serviços de distribuição, localização dos produtos (tradução dos jogos) e cuidava do posicionamento estratégico dos produtos com ações de marketing e relacionamento com a imprensa, deverá passar a representação da marca para uma representante.
Já o blog Gamer.br, comandado por Pablo Miyazawa, diz que a empresa vai encolher, a área de games para PC vai ser afetada e o setor de marketing, liderado por Jonatan Harris, a EA Mobile (celulares) continuam funcionando.
O que há de fato é: a EA está mexendo as coisas no Brasil e para um possível fechamento ou para a “terceirização” da produtora que ficaria nas mãos de uma outra empresa, encarregada de administrar a marca no país.
É complicado, o mercado brasileiro de games já é deficiente diante desse fato se concretizar e a “cegueira” do governo para este tipo de mercado, isso provoca um desânimo geral no setor. Bravos são aqueles que ainda persistem e acreditam que um dia o Brasil vai ter um mercado de games decente. Espero que o governo olhe com mais carinho para indústria de games, afinal ela também gera empregos e renda para o país.

noreset_plantao

A coisa tá ficando muito feia...

Isso porque a economia do Brasil nem foi afetada pela crise econômica. Os motivos para tal atitude são misteriosos...

cidocoelho_profileA Electronic Arts Brasil vai fechar as portas do seu escritório. egundo o site EArena Games que entrou em contato com uma fonte da produtora, o escritório localizado na zona sul de São Paulo vai encerrar as suas atividades.

Há 12 anos no Brasil, a EA considerava o país um dos pontos estratégicos para o crescimento da empresa nos mercados emergentes.

Porém, os rumores foram confirmados por uma fonte interna entrevistada pelo EArena Games e até dezembro, a companhia deixará o país.

Os empregados são dispensados em grupos e até dezembro, a EA deixa de ter representação oficial.

A companhia, que fazia atualmente os serviços de distribuição, localização dos produtos (tradução dos jogos) e cuidava do posicionamento estratégico dos produtos com ações de marketing e relacionamento com a imprensa, deverá passar a representação da marca para uma representante.

Já o blog Gamer.br, comandado por Pablo Miyazawa, diz que a empresa vai encolher, a área de games para PC vai ser afetada e o setor de marketing, liderado por Jonatan Harris, a EA Mobile (celulares) continuam funcionando.

O que há de fato é: a EA está mexendo as coisas no Brasil e para um possível fechamento ou para a “terceirização” da produtora que ficaria nas mãos de uma outra empresa, encarregada de administrar a marca no país.

É complicado, o mercado brasileiro de games já é deficiente diante desse fato se concretizar e a “cegueira” do governo para este tipo de mercado, isso provoca um desânimo geral no setor. Bravos são aqueles que ainda persistem e acreditam que um dia o Brasil vai ter um mercado de games decente. Espero que o governo olhe com mais carinho para indústria de games, afinal ela também gera empregos e renda para o país.

Não acredite nos “price cuts”!

cabeça_colunistasrafaelarbulu_tarja

É fato: os preços estão exorbitantes, e isso é opinião mundial. Sou membro de comunidades gamer grandes, como Destructoid, Joystiq e Kotaku, bem como perfis em enormes sites, e todos eles dizem a mesma coisa: videogame é caro. Dada a única relação que o Brasil divide com o resto do mundo nesse ingrato mercado, é de se esperar que os famosos “price slash” que permeiam esse ramo sejam recebidos em alegre coro.

Mas digo a você, leitor: não tem nada mais superestimado que um “presentinho pra fanboy” como esse. Em ditas comunidades, quando vejo os usuários reclamando de valores altos, exibo um panorama básico de preço aqui no Brasil (faço isso pra tudo, na verdade), mostrando que a situação, embora ruim para todos, é bem pior por aqui.

Antes de começar as explicações diretas, faz-se necessário um adendo: não sou rico, nem tampouco tenho grana para comprar todos os jogos e consoles que quero. Meu único console dessa geração foi presente de aniversário, é o único que tenho. Estou hoje desempregado e com o nome sujo, mas ainda assim, não fico nada contente quando uma queda de preço é anunciada.

Vamos aos porques: com o recente anúncio do Wii custando duzentas doletas no exterior, muita gente – jornalistas, inclusive – anda se perguntando “E o Brasil?”, na esperança de que estejamos, enfim, sob os holofotes das grandes produtoras. Mas, em relação ao pequeno azulejo nintendista, nada foi confirmado, e o preço continua o mesmo: aproximadamente R$ 1800,00 em lojas franquiadas; cerca de R$ 1000,00 em qualquer Santa Ifigênia da vida.

Não que eu não esperasse isso por conhecimento próprio, mas ainda assim, fui atrás dos fatos: levei a namorada/quase-noiva/tão-logo-esposa para o PromoCenter, ali na Rua Augusta, praticamente na esquina da Avenida Paulista, mas ao invés de me basear no Wii, decidi colocar mais hardware nessa minha pesquisa rudemente improvisada, e corri atrás do New PS3 Model, o famigeradamente popular PS3 Slim: a média a que cheguei – em um centro de produtos pirateados e pertencentes ao mercado cinza/negro, vale lembrar – foi de R$ 1700,00 a R$ 2100,00. Perguntei então pelo modelo anterior, aquele que todos estão mais familiarizados, e me informaram R$ 1400,00 a R$ 1700,00 de variação de preço.

WTF? Se o PS3 Slim foi desenvolvido, entre outras coisas, com o intuito de reduzir o preço da marca e alavancar os números da Sony Computer Entertainment para o ano de 2009, por que motivo ele chega a custar quase quinhentos reais a mais que seu predecessor? Detalhe: já informei, em minha primeira coluna, como é composto o PS3 Slim – o maquinário é, digamos assim, mais enxuto, justamente para economizar nos custos de produção.

Tal filosofia deve ser válida para o Nintendo Wii: não se sabe o que a Big N pretende com isso, já que sua hegemonia nessa geração de consoles já está praticamente garantida. Para mim, eles deveriam focar mais em jogos first-party que todo mundo quer, tipo um novo Mario (NOVO MESMO, não “Mario Qualquer Coisa 2”) e/ou um Zelda, megalomaníaco ao melhor estilo “Ocarina of Time” de ser.

Claro, não somos nada nem ninguém para questionar as manobras de mercado adotadas por determinada empresa, mas vale reiterar: o Wii mais barato dos gringos nada significará para os brazucas. Vivemos de promessas, e tentamos tirar nosso sustento delas: quanto tempo faz que a Sony anunciou o plano de entrada da família PlayStation no Brasil? Alguém aí já viu uma ação concreta? Falar de “permissões judiciais asseguradas” – como tudo o que se pretende fazer dentro da Zona Franca de Manaus, não vale. Quanto tempo faz que a própria Nintendo tirou sua posição de dentro do país, com a promessa de voltar, mas a Latamel consegue abrigar o Mercosul quase que em sua totalidade, e ignorar justamente o Brasil? Quanto tempo faz que temos uma Microsoft brasileira, mas que vive prometendo “a Live localizada para o ano que vem” desde os anos passados?

Acho difícil acreditar que as grandes produtoras enxerguem potencial mercadológico maior que o nosso em países como Argentina, Venezuela, Colômbia e outros que sequer chegam perto de dados como PIB e faixas de crescimento anual quando comparados ao Brasil. Claro, os números indicam algumas derrotas, mas vejam o macro: Buenos Aires ainda está algumas eras atrás de São Paulo, por exemplo.

A grande verdade é uma só: a fama de “brasileiro não desistir nunca” já começa a me dar nos nervos – e muita gente por aí vai concordar comigo. Está chegando ao ponto de abrirmos mão de nosso divertimento apenas por não enxergarmos esperanças. Eu, por ora, rezo para que o quadro mude – e que eu finalmente seja provado errado. Mas até lá, mantenho-me resoluto quando digo: o Wii caiu o preço lá fora? Tô pouco me f****do!

Rafael Arbulu é jornalista. Foi editor-chefe do MSN Jogos e agora desenvolve o projeto The Gamer. Sua coluna pode ser lida todas as terças-feiras, aqui no NoReset

É feio, mas é um conceito! Conheça o Xbox 1080

noreset_carayxboxportable1
cidocoelho_profileUm cara recém-formado em Artes e Desgn no Milwaukee Institut of Art (Instituto de Arte de Milwaukee), chamado Carl Archambeault, comeu alguma coisa ou bebeu algo que não era para ser consumido.

Pois ele desenvolveu um console-conceito e ainda teve a ousadia de batizá-lo de Xbox 1080.

xboxportable2

Bom o Xbox 1080 seria portátil e ele é inspirado no controle do 360. Além de ser jogável, ele também teria o poder o iPod da Microsoft, ou seja, ele também teria as mesmas potencialidades do Zune.

A ideia pode ser boa, todos temos boas intenções, mas sinceramente, ô trem feio do caray!

Acho que ele deveria processar a facultade no qual ele se formou…

INFORMAÇÕES COM TECHNABOB

“Respeitem o Kurt, po**a!” Ou a melhor forma de arrumar a encrenca à toa

cabeça_colunistasrafaelarbulu_tarja

Não é de hoje que ouço questionamentos sobre a minha opinião em relação aos assuntos A ou B, e sempre que posso, faço questão de responder. Coisa de leitor que virou jornalista, sabe? Gosto de manter a interatividade com todo mundo que eu posso. A mais recente pergunta que recebi, vinda de um leitor via Messenger, fala sobre Kurt Cobain em Guitar Hero 5, e a suposta fúria dos fãs mais incautos do grunge rock – originada pela presença de ilustre cadáver no famigerado jogo.

Direto ao ponto: Guitar Hero, segundo o que me disseram, não prende um determinado artista ao seu acervo, salvo, claro, exceções como os títulos direcionados à bandas, como Aerosmith, Metallica e o futuro Van Halen. Assim sendo, é possível que o jogador, na pele de um Kurt Cobain inteiramente feito de polígonos, cante músicas que jamais seriam entoadas por tal artista quando em vida. Desnecessário dizer, ver o ex da sempre amalucada Courtney Love tocando músicas de Blink 182 e similares não agradou muita gente.

Honestamente, não joguei GH 5. Vou mais longe: NÃO JOGUEI GUITAR HERO! É isso aí: nunca na minha vida sequer toquei na guitarra de plástico que serve de instrumento ao simulador musical mais poderoso dos games. Digamos que até há um interesse, mas o poder de atração do jogo sobre o público de massa simplesmente inexiste em mim quanto ao seu efeito. Ainda assim, não falho em reconhecer – e respeitar – a magnitude atingida pela franquia criada pela Actvision. O quinto título (cronologicamente falando) chegou às prateleiras na semana passada, se não me engano, contando com diversos ícones da música roqueira, como Johnny Cash, além do falecido vocalista da falecida banda Nirvana.

Mesmo para alguns jornalistas renomados, ver Kurt Cobain fugir de sua especialidade foi uma autêntica ofensa, alguns até chamando o caso de “vergonha”, o que considero balela pura. Já pararam para pensar como seria se ele estivesse vivo? Será que ele não teria cedido à pressões do mercado fonográfico e feito uma parceria com qualquer pop rock performer da atualidade?

Há quem argumente que o cantor, quando vivo, não aprovava a exploração de sua imagem, mas sabe qual é a grande verdade nisso? Ele não teria como controlar esse assunto. Tornou-se um ícone cultural, pela minha opinião, apenas por morrer antes que tivessem a chance de efetivamente usá-lo como um intrumento comercial de alta capacidade. Ele não queria aparecer em comerciais? Não queria que seu rosto, nome e cabelo seboso fizesse parte de qualquer tipo de entretenimento? Dane-se! É o preço que se paga quando se vira uma pessoa pública.

O problema aqui é que quem reclama está se esquecendo da tratativa que a Activision sempre deu a Guitar Hero: esse não é, nem nunca foi ou será um “jogo de música”. O objetivo da produtora com tão consagrada franquia é reunir em um mesmo ambiente um grupo consistente de pessoas para jogar um simulador, pagando rios de dinheiro à empresa. Não objetiva-se “homenagear grandes artistas” ou “levar boa música às gerações contemporâneas”. Se a Activision quisesse, poderia fazer com que Kurt cantasse Backstreet Boys em jam session com High School Musical + Hannah Montana – e você não faria nada a respeito a não ser reclamar, reclamar e reclamar.

Amo Nirvana, sei todas as músicas de cor e salteado, assim como muitas outras bandas que me cativam, me irritam e me emocionam. É o que acontece quando você é um verdadeiro amante da música – seja ela boa ou ruim. Reclamei de muita coisa que disseram sobre a(s) banda(s) que aprendi a admirar, mas não tenho como me mostrar complacente com uma insatisfação mal justificada como essa. Mesmo para falar mal, é necessário falar direito.

Por isso que o título dessa coluna pede respeito ao homem: não porque Guitar Hero o ofendeu, mas porque fãs desajustados estão reclamando do que não devem – e Kurt Cobain deve estar se retorcendo na cova por isso.

Rafael Arbulu foi  editor-chefe do MSN Jogos, e desce o braço em Deus e o mundo às terças-feiras, aqui no NoReset.

Homenagem aos games 8 bits com Lego

noreset_channelcidocoelho_profileEsse vídeo é bacana. Quase uma homenagem aos eternos games de 8 bits. A dupla sueca Tomas Redigh e Daniel Larson gastaram mais de 1500 horas tirando fotos e montando e desmontando peças de Lego, para chegar aos quase quatro minutos de animação.

É uma baita homenagem. Eu aconselho ao internauta NoReset a perder uns 5 minutinhos. Mas, como cinco minutos? Se você escreveu que o vídeo tem quase quatro? É que você vai gastar o resto do tempo comentando. Entendeu? Chega de papo! Assiste aí!

Sai lista de classificados da BRGames 2009

noreset_plantaobrgameslogo
cidocoelho_profileLembra-se do BRGames? Aquele programa do governo federal que quer estimular a indústria brasileira de games?

Pois é,  foi divulgado a lista de classificados que receberão o incentivo do governo, entenda como grana, para desenvolver um jogo para o mercado. Dos 20 projetos pré-classificados, 6 de empresas e 14 de pessoas físicas, sobraram dez. Por isso, veja a lista abaixo:

brgames1brgames2

“O programa BRGames tem como objetivos gerais o fomento ao desenvolvimento da indústria de jogos eletrônicos no Brasil, o fomento à participação da indústria brasileira de jogos eletrônicos no exterior e o estimulo à criação de ambientes de mercado para o jogo eletrônico brasileiro no país”, diz o site do programa.

O BRGames um programa da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura, Secretaria de Políticas Culturais do Ministério da Cultura e Sociedade Brasileira para Promoção da Exportação de Software – SOFTEX, que tem o apoio institucional do Festival Internacional de Linguagem Eletrônica – FILE e da Associação Brasileira das Desenvolvedoras de Jogos Eletrônicos – Abragames.