• _

Loja vende fantasia de heroínas de games nos EUA



Essa é boa para os cosplays! Um site norte-americano vende roupas de heroínas dos games como Chun Li, de Street Fighter e Yuna da série Final Fantasy. Além disso, há uma lingerie especial de Pac-Man. Confira as imagens das roupas e das modelos, claro!

A roupa da Chun-Li está muito grande, não mostra o essencial!

A roupa da Chun-Li está muito grande, não mostra o essencial!


Uh terêrê! Vejam só que modelo! Ops, detalhe o Pac Man indo atrás da Ms. Pac Man...

PlayStation 3 come energia feito Pac-Man

Plantão NoReset

Quando chegar a conta de luz e você tomar um choque pelo tamanho do valor, não começe a xingar o seu tio que assalta a geladeira! Xingue o seu PlayStation, Xbox 360 e algum console que você tenha, claro, junto com a sua TV.
Porque eles são grandes “Pac-Mans” da energia. Segundo a agência australiana de consumo Choice o PlayStation 3, da Sony, está na liderança entre os 16 itens que comem energia seguidos pelo Xbox 360 e os televisores de plasma. Porém, na lista estão inclusos computadores, aparelhos de som e de DVD. O PS3 ligado na tomada e sem ser usado gasta até 5 vezes mais que uma geladeira.

O relatório ainda cita:

“A TV de plasma também é faminta e consome quatro vezes mais energia do que um aparelho analógico tradicional. O computador de mesa [desktop] aparece em terceiro na lista.”

A Choice aconselha que os gamers e os consumidores retirem os equipamentos da tomada quando não forem usados. Pois quando é utilizado o controle remoto, os aparelhos ficam no modo stand-by, que consome energia. Olho vivo ou a conta de luz vai pro espaço!

INFORMAÇÕES COM G1

O verdadeiro Pac-Man

Só vendo e comentando o nível da insanidade humana! Confira!

 

Tem fliperama de Mario Kart no Brasil… Sabia dessa?

 Nintendo

[Nota do editor: Bom, se você sabia… parábens para você.  Como eu não sabia, estou postando aqui no blog uma resenha sobre esta “relíquia videogamística”.]

  Saí de casa hoje para ir ao Shopping,  fazer absolutamente nada. “Bater perna”, saca? Estava saturado de ficar em casa num típico dia de Faustão na TV, pai vendo jogo e, conseqüentemente, monopolizando a televisão da sala. Para finalizar, as notícias sobre games que me interessavam, eram nulas (como, para mim, foi essa semana inteira). 

  E lá fui eu, acompanhado de meu amigo e fiel escudeiro Marcelo.

  Depois de passar na livraria e perceber como o número de livros de Geografia é inexpressivo, enchemos nossa barriga de Junk Food para depois passar no(a) Hot Zone, a “casa” de fliperamas do Morumbi Shopping.
 Em meio à “boys” com possíveis nomes estrangeiros impronunciáveis e caras blusas da Von Dutch, e garotas gatíssimas que, um dia, hão de dar bola para este magrelo que vos escreve, consegui ver uma figura de um bigodudo muito familiar, seguido das letras K-A-R-T. Não foi necessário nem meio milésimo de segundo para processar a informação: Era um genuíno ARCADE DE MARIO KART. mario-kart-arcade-gp-2.jpgQuando vi a máquina, senti que o Mussum desenhado na minha camiseta realmente disse “Cacildis!” e  quase pulou fora para jogar uma partidinha!
 Não houve GUITAR FREAKS ou THE HOUSE OF DEAD 4que ganhasse nossa atenção ou nossos ricos créditos: Desembolsamos “quatro conto” em crédito cada um para jogar uma partidinha da máquina.

 O arcade se chama Mario Kart 2: Arcade GP. É produzido pela Nintendoe desenvolvido pela Namco. Sendo assim, você já deve imaginar que personagens como Pac-man, Mametchi de Tamagochi, entre outros, dão o ar de sua graça como pilotos selecionáveis em meio aos personagens Nintendojá manjados.
  Já na tela inicial, você escolhe as cilindradas de motor que quer correr: 50, 100 ou 150 cc. Logo após, vai para a tela de seleção de personagens, escolher seu piloto e veículo favoritos (assim como MarioKart DS). Após fazer isso, você vai para uma tela especial, em que o jogo captura uma foto sua com uma câmera na parte posterior, e a adapta à cabeça do personagem, sendo essa foto um avatar que ficará disponível no canto inferior esquerdo da tela, para mostrar seu status. Depois de tudo isso, finalmente, você pode escolher a pista. Todas novas, criadas exclusivamente para o fliper. 
  O game em si é belíssimo.Tem gráficos bonitos, limpos e coloridos, daqueles que, eu particularmente, gostaria de ver em Mario Kart Wii. Os efeitos de luz e refração são também muito bacanas, com luzes das pistas que se refletem no seu kart (ou moto, ou trem, ou seja lá o que for…). às vezes é difícil correr sem dar uma olhadinha nos cenários de fundo, o que vai render à você uma posição à menos na corrida. O som é simples, porém empolgante. Tem um narrador (meio mala às vezes) falando a sua posição e o que você faz. A jogabilidade realmente é ridiculamente simples: Há o volante, (que treme quando você corre, bate ou qualquer outra coisa) o pedal de freio, o acelerador e, no meio do volante, o botão para jogar o item. Todos os três itens que você poderá usar na corrida são definidos antes de começar a partida, e você não pode escolher. Quando você pega o item, seu personagem já o segura na mão direita. Se um oponente passar na sua frente, ele será travado automaticamente na mira e basta você apertar o botão no meio do volante para que seu personagem jogue o item e acabe com a alegria do infeliz.
 O mais legal de tudo é que, embora simples até demais, os comandos são muito intuitivos. Mesmo com apenas freio e acelerador, é possivel pular (pise rapidamente no freio enquanto acelera) e derrapar (vire o volante para o lado após pular). 

 Embora seja ótimo, nem tudo é belíssimo: O jogo é o cúmulo do fácil. Fácil… extremamente fácil… pra você, e eu e todo mundo.
 Em alguns momentos você vai sentir como se estivesse jogando uma partida treino ou um time attack, com ninguém atrás de você. Nossa “equipe” (equipe? hahahhahaha que piada…) jogou duas vezes cada um, no normal e no expert e chegou sempre em primeiro lugar. Posso lhe garantir que não somos tão bons assim.
 Outor ponto negativo: Não importa em que posição você chegue: Correu uma pista, acabou o jogo. Caso queira correr novamente em outra pista, você deverá passar novamente seu cartão e gastar mais dinheiro. Puta injustiça, diga-se de passagem, afinal, se chegamos em primeiro, é mérito nosso e é nosso direito continuar. Todo fliperama de corrida é assim. Mas vai entender, quando se trata da Nintendo, tudo é meio do contra.

 Como sequer imaginava encontrar uma coisa dessa no Brasil, ainda mais perto da minha casa, não levei a máquina digital. Mas ainda assim, consegui duas fotos tiradas pelo celular do Marcelo, porque o meu não tira fotos (sim, sou pobre… mas isso vai mudar um dia). A qualidade não é lá muito boa, mas não venham reclamar jacarezada… foi tudo o que eu consegui.

mario-kart-2-arcade-gp.jpg
              Imagem que fica na parte posterior do arcade: Lindona, fala aí?
          (sim, está tremida, eu sei, mas a qualidade da câmera não ajuda muito)
mario-kart-arcade.jpg
                         Marcelo jogando, pronto para dar a partida.

Tô falando meu povo: Fuleiragens e chinelagens, é só aqui, no NoReset, é claro!

Tá caro fazer jogo!

Games NoResetTá caro!

Há vinte anos produzir um jogo não era tão caro para as produtoras. Mas, com o avanço da tecnologia foi necessário o investimento em supermáquinas e profissionais bem qualificados.

Isso provoca uma restrição para as empresas produtoras de jogos, principalmente as pequenas.

Um exemplo é a Namco que com o seu mascote – Pac-Man – criado por um funcionário da produtora, a produtora pagou cerca de US$ 3 mil pelos direitos do mascote comedor e a desenvolvedora gastou cerca de US$ 100 mil, equivalente a US$ 215 mil nos dias de hoje com inflação, ou mais de 400 mil reais, para produzir a primeira versão do game e ganhou milhões.

A BBC News publicou um artigo apontando que a produção de um jogo de médio porte para o PlayStation 3 custa mais de US$ 15 milhões, sem os gastos com publicidade.

Com isso, as produtoras não conseguem avançar nos lucros como as fabricantes de plataformas e vê o seu orçamento mais curto ou o fechamento das emrpesas.

Segundo Philip Oliver, CEO e fundador da produtora inglesa Blitz Games, os custos triplicaram devido a complexidade da produção dos jogos, principalmente com os avanços na produção gráfica e de alta definição em que são necessários mais investimentos em tecnologia e pessoal, gerando grandes gastos e aumento nas folhas de pagamento.

“Os custos aumentaram demais na parte gráfica. Nós entramos em uma era de jogos com vídeo de alta-definição. Isso fez com que o tamanho das equipes tivesse que aumentar nessa área, para que novas ferramentas para essa função fosse criadas, e geralmente levando os custos às alturas. Isso está causando de verdade um severo impacto na indústria”, declarou Oliver.

É antes de pensar em fazer uma produtora, pense duas vezes, pois para produzir games você precisa de cada vez mais e mais grana para ser queimada, sem garantias de retorno.