• _

Koei Tecmo paga R$ 40 mil por 3º filho!

O jornal japonês Mainichi publicou que a Koei Tecmo (do game Dynasty Warriors, Ninja Gaiden Sigma e Dead or Alive)  implantou um plano que é defendido pelo governo do Japão, que é a redução da população.
A ideia é que os empregaos da produtora ganhem um prêmio de US$ 20 mil quando gerarem um terceiro filho.  Já para o primeiro e segundo filho o incentivo é de US$ 1 mil e US$ 2 mil.
Para se ter uma ideia, o crescimento anual da terra do sol nascente é o equivalente a 0,5% se comparar com o Brasil esse número em média 2,2% de filhos ou mais, de acordo com os dados do IBGE.
noreset_carayrevista_norpopular1
cidocoelho_profileO jornal japonês Mainichi publicou que a Koei Tecmo (do game Dynasty Warriors, Ninja Gaiden Sigma e Dead or Alive)  implantou um plano que é defendido pelo governo do Japão, que é o estímulo ao aumento da população.
A ideia é que os empregaos da produtora ganhem um prêmio de US$ 20 mil (cerca de 40 mil reais) quando gerarem um terceiro filho.  Já para o primeiro e segundo filho o incentivo é de US$ 1 mil e US$ 2 mil.
Para se ter uma ideia, o crescimento anual da terra do sol nascente é o equivalente a 0,5% se comparar com o Brasil esse número em média 2,2% de filhos ou mais, de acordo com os dados do IBGE.
INFORMAÇÕES COM FINALBOSS

Square Enix quer o investimento na Eidos até 2012

noreset_plantaoyoichi_square_grana
cidocoelho_profileApós a compra da produtora Eidos, a Square Enix determinou o retorno dos 84 milhões de libras – dinheiro investido na aquisição – em três anos.

A ordem veio do topo, pelo presidente da Square Enix Global, Yoichi 
Wada (foto)
, que deseja fazer da produtora de Final Fantasy a maior do mundo.

O executivo crê que a Eidos será a o ponto fundamental da “Squenix” no Ocidente para ampliar as vendas fora do continente japonês.
Continue lendo

Interplay apela para não fechar

 

noreset_gamenewsinterplayfechandocidocoelho_profileMais uma produtora que já fez muito barulho no mercado de games – principalmente na “Guerra dos 16 Bits” – pode fechar as portas para sempre… É a Interplay. Que fez um apelo dramático na imprensa solicitando um parceiro, para não fechar as portas..

“Continuamos buscando fontes externas de investimento. Incluindo, mas não limitado a, venda de bens, licenciamento de certos produtos em territórios selecionados, realização de acordos, ou outras transações estratégicas suficientes para prover fundos à curto-prazo, e alcançar nossos objetivos estratégicos à longo.”, dramatizou a Interplay.

Continue lendo

Torre sua grana com o Capcom Visa Card

noreset_plantao

capcom_visa

 

cidocoelho_profile

Apesar de todo bafafá com a expectativa dos lançamentos de Resident Evil 5 e Street Fighter 4 a Capcom resolveu fechar uma parceria com a empresa de cartões de crédito e débito Visa. O “Capcom Visa Card” terá as imagens dos principais jogos da produtora, como você pode conferir nas imagens deste post.

O gamer poderá ter um cartão de débito ou crédito e a Capcom promete algo como um programa de milhagens, onde o feliz (ou não) proprietário do cartão poderá trocar os pontos por algumas bugigangas, acesso a beta de jogos em desenvolvimento, convites para festas, convites para eventos ou produtos que podem ser trocados na Capcom-Unity.

O cartão terá um custo de US$ 9,95, com um saldo mínimo de 10 dólares. A taxa mensal será de US$ 4,95. O depósito máximo permitido por dia é de US$ 2.500 e o limite é de 5 mil dólares. O dono do cartão terá 15% de desconto na loja online da Capcom, com um retorno de 0,5% das compras em din din para ser reembolsado em outra conta.

Gostou? Mas sossega! Esse cartão só pode ser adquirido , por enquanto, no país da crise – os Estados Unidos.

INFOMAÇÕES COM GAMESINDUSTRY E KOTAKU

Arrogância: Sony questiona preço dos rivais

noreset_gamenewsCido CoelhoA Sony Computer Entertainment AmeriCa explicou ao público por meio de uima nota à imprensa comparando os preços e prós e contras entre o PlayStation 3, Wii e Xbox 360.

Quando a Microsoft destacou que o PS3 vendeu apenas 8 milhões de consoles no mundo inteiro, a Sony respondeu que o Xbox tem despesas adicionais, como o pagamento extra para jogos on-line e perfiéricos.

“O Xbox 360 exige verbas adicionais, múltiplas atualizações adicionais e dispositivos externos, colocando um peso nos custos, com a desorganização para centro de entretenimento”, disse Sony.

Arrogantemente a Sony competou: “O PS3 é o perfeito exemplo de um produto que apresenta uma tecnologia superior com o design sofisticado ideal criando o produto de entretenimento tudo-em-um ideal.”

Antes a Sony não enxergava o Wii como um concorrente para o PlayStation 3, alegando que o console é popular porque não tem tanta tecnologia quanto o seu console.

“O Wii vem de funcionalidades melhoradas, à custa de uma solução abrangente entretenimento. Assim como PS3 continua evoluindo sem a necessidade de peças complementares ou custos, esperando que a concorrência continue com suas futilidades adicionadas em um esforço para acompanhar o console”, acrescentou a Sony.

Além disso ela se exibiu dizendo que o PS3 tem disco rígido, com saída para Wi-Fi, serviço online, player Blu-ray e saida HDMI por um preço muito viável: US$ 399.

Em contra partida a Sony comparou que os custos da funcionalidade do Xbox 360 Arcade que é semelhante ao PS3 tem um custo variável entre US$ 449 a US$ 499. e no caso do Wii muitos upgrades nem existem.

“O Xbox 360 e Wii tem o direito de oferecer um conjunto de funcionalidades. Porém, quando você compara as características e as ofertas lado a lado, só existe um verdadeiro vencedor em relação ao valor total e os preços”, acrescentou Sony.

A Sony entrou na chibata do jornal Wall Street Journal que publicou um editorial explicando que se o PlayStation 3 não melhorar nas vendas ele pode ser considerado um console obsoleto e ultrapassado.

“A estratégia da Sony de vender caro um videogame com funcionalidades avançadas e com componentes de ponta parece ser ultrapassado”, disse o WSJ.

Em 2008 o PlayStation 3 ficou na lanterninha entre os consoles da nova geração mais jogados nos Estados Unidos.

rodape_noresetnet3

INFORMAÇÕES COM GAMESINDUSTRY

Não só de games vive Mario

noreset_fuleiragens
Rebeca GliosciA série Mario Bros é o maior ícone dos videogames. Para nós que já passamos dos 20 e presenciamos a história dos games desde seu começo (ou quase), a turma do bigodudo italiano tem um significado especial.
Mas todo gamer que se preze sabe ao menos do que se trata, mesmo os mais novinhos que só conheceram o mundo do entretenimento eletrônico pós-Playstation.

E o sucesso da franquia não se mostra apenas nas vendas dos jogos. Há todo tipo de produtos licenciados com a marca, sem contar as homenagens feitas pelos fãs como bolos e quartos decorados com o tema.

Veja alguns exemplos:

419129342wejcov_ph

supermario

Gostei do baú-NES!

supermarioroomSó não vão meter a cabeça aí pra ver se sai flor, hein?!

mario_minicakes

Bolinhos.
mario-cake-1

Coisas fofas!

1588996

brick

slippers

Mochilas bregas e fases de papel.

1640557a0

paper-mario-7-2

Energéticos e caixas-de-som (subwoofers)! Porque assim como o Mario, suas festas também precisam de power-ups! =D

super-mario-drink

mario-subwoofer


rodape_noresetnet2

Governo brasileiro investe R$ 1 milhão na indústria de games

noreset_plantaolula_positivo_gamesCido CoelhoOs políticos estão olhando com mais carinho a industria de games e o potencial que o Brasil tem no mercado.

O Ministério da Cultura publicou na última sexta-feira (5), no Diário Oficial da União a autorização que cria o programa BR Games, para fomentar e incentivar a produção de games no Brasil.

Em 2009, o programa de incentivo vai escolher 10 projetos para a produção de demos jogáveis. Com as melhores demos, o governo brasileiro e o Ministério da Cultura vão levar as demos para as gigantes da indústria de games no mundo.

Sete projetos vão receber R$ 70 mil para criar as demos, e mais três empresas do mercado brasileiro de games vão receber R$112 mil. Porém talvez essa quantidade salte de 112 para 140 mil reais, porque o governo vai pagar 80% dos custos de produção e vai cirar outros incentivos para que o game sobreviva no mercado.

A Secretaria do Audiovisual do MinC, junto com a Associação Brasileira de Desenvolvedoras de Jogos Eletronicos (Abragames), mais a Sociedade Brasileira para Promoção da Exportação de Software (Softex) vão organizar o comitê que vai selecionar os jogos que terão direito ao benefício.

Assim que forem selecionados, os beneficiados deve ser obrigados a tentar uma carreira internacional para fazer com que os jogos alavanquem no mundo dos games. E para isso, os desenvolvedores deverão participar de feiras no exterior para poder expor o trabalho.

Por que o governo acordou agora para os gamers brasileiros?

O BR Games é um resultado de uma coisa que já era obvia. Pois o Brasil está ficando para trás no mercado de games, o brasileiro só consome produtos importados e o país tem um grande potencial para consumir e produzir jogos.

Segundo o Cetic.br – Centro de Estudos sobre as Tecnologias da Informação e da Comunicação – indicou que 17% dos brasileiros tem um console e os assinantes de TV a cabo são 7%.

Isso porque o potêncial dos jogadores no Brasil é muito grande: 24% dos brasileiros tem computador, 1 % tem laptops e 74% tem celulares.

Somente o Brasil gasta cerca de US$ 350 milhões por ano com games. No restante do mundo a cifra alcança 50 bilhões de dólares.

Segundo o site do Ministério da Cultura, as inscrições do BR Games começam a partir de 16 de janeiro de 2009 e vão até o final do mês de fevereiro. A seleção terá duas etapas e o resultado final sai no dia 15 de maio.

rodape_noresetnet2

Capcom tem lucro de 110,8% no ano fiscal


A Capcom anunciou o resultado de seu primeiro trimestre fiscal, válido entre 1º de abril e 30 de junho. A produtora japonesa arrecadou 14% acima do mesmo período do ano anterior – US$ 151 milhões. Os lucros até agora subiram 110,8%, de US$ 10 milhões para US$ 22 milhões.

Esse recorde na arrecadação se deve ao excelente desempenho das vendas de Monster Hunter Freedom 2nd G, para PlayStation Portable, que, segundo a Capcom, “aumentou drasticamente as vendas e os lucros”. O game já vendeu mais de 2,4 milhões de unidades, sendo o game mais bem sucedido para o PSP no Japão.

Apesar disso, a Capcom manteve sua previsão de arrecadação devido a contínua queda das operações com fliperamas. Porém, a produtora aposta no Street Fighter IV, para recuperar o negócio com os arcades.

Vendas – A Capcom vê com bons olhos as vendas de Street Fighter IV para os consoles desta geração (PlayStation 3, Xbox 360) e PCs, chegando a 1, 7 milhão de unidades e 1,5 de Bionic Comando.
Já para os games Resident Evil 5 (PS3 e Xbox 360), que será lançado em março de 2009, a Capcom aposta que serão vendidos mais de 2,3 milhões de cópias.

A menor perspectiva fica para Dead Rising: Chop til you Drop, para Wii, que a empresa pretende chegar a metade da marca de vendas do game Resident Evil 4: Wii Edition – apenas 500 mil.

INFORMAÇÕES COM UOL

Mario dá risada porque cofres da Nintendo estão cheios

É, a turma do Mario Bros vai ter aumento salarial, bonificações, uma boa PLR (divisão de lucros da empresa),
Como eu sei disso? Trabalho na Nintendo? Nada disso! É que a empresa está rindo a toa com os lucros que o seu humilde e moderno console, Wii, está dando a Big N.

Segundo a gigante dos games, o lucro da empresa subiu 60% por causa do bom desempenho no comércio que o Wii vem mostrando em dois anos consecutivos.

Porém os executivos da Nintendo estão com os pés no chão. Eles prevem que o DS terá uma desaceleração nas vendas e por isso, as vendas anuais devem bater os 9%.

Esse resultado positivo também se deve das vendas do Wii desde o lançamento do console que ainda permanece líder no segmento dos consoles, mesmo com a ascendência do PlayStation 3, da Sony e o Xbox 360, da Microsoft.

O novo desafio da Nintendo será os novos lançamentos para o PlayStation 3  –  como Metal Gear Solid 4, da Konami e Grand Theft Auto 4,  da Take Two Interactive Software – que poderão alavancar as vendas do console da Sony.

O valor de mercado da Nintendo chega a US$ 81 bilhões ( cerca de R$ 137.7 bilhões).

A internet tem seu valor

Hoje foi um dia em que a internet teve o seu valor. Como assim?
O “pizza.com” foi comprado em 1994 pelo nova-iorquino Chris Clark, pela pequena quantia de 20 dólares.
De acordo com o jornal “Ney York Post”, Clark comprou o domínio na época porque queria convencer a pizzaria à ter a sociedade da empresa.
Como ele não conseguiu o negócio, ele manteve o domínio e colocou no leilão. O “pizza.com” recebeu 24 ofertas, o domínio começou custando US$ 100 e terminou custando em US$ 2,6 milhões.

O outro caso, que aconteceu em fevereiro de 2008, foi uma letra. Apenas uma letra – a letra “s”.
Uma empresa de viagens da Grã-Bretanha tirou do bolso US$ 1,1 milhão para comprar o domínio “cruises.co.uk”.

A empresa pagou este montante por causa do nome cruises, ou melhor pelo acréscimo da letra “s”, pois o site já tem o dominio cruise.co.uk.

De acordo com o empresário – Seamus Conlon – que comprou o domínio de uma agência de viagens da Alemanha, a aquisição foi importante para garantir o domínio no mercado de cruzeiros.

“A palavra cruzeiros [cruises] aparece em primeiro lugar no Google, seguida por cruzeiro [cruise]. Queríamos as primeiras posições, para sermos a primeira alternativa quando o internauta faz uma busca por esse assunto”, disse o comprador.

Na terra da rainha, o dominio mais caro que foi pago antes do”cruises.co.uk”, custou US$ 300 mil.
O recorde mundial é o “sex.com”, que custou US$ 12 milhões, seguido por “porn.com” (US$ 9,5 milhões).

Pois é, eis um mercado virtual com dinheiro real…
[Informações com a Reuters, EFE e G1]