• _

O Início da Fantasia – Final Fantasy II

noreset_analise

Amano_FFII_Cast

wesleypires_profileOlá fanboys, gamers e whatever. Faz tempo que não uso esta introdução, nem tinha me dado conta. Desta vez darei continuidade à outra série de matérias, falando sobre o segundo jogo da franquia, que é Final Fantasy II.

Depois do estrondoso sucesso do primeiro jogo, A Square não quis perder tempo e já arregaçou as mangas para fazer um segundo jogo. Entretanto, como podem ver o primeiro jogo era uma história fechada, logo não dava brechas para uma possível continuação. Então decidiram criar uma história diferente, mantendo os aspectos do primeiro jogo, e acrescentando adições. Com isso, Final Fantasy II foi lançado no Japão em 17 de Dezembro de 1988, com Hironobu Sakaguchi, Yoshitaka Amano e Nobuo Uematsu repetindo a parceria vencedora.

Capa da versão de NES

Capa da versão de NES

Ao começar o jogo, vimos uma grande mudança, pois ao invés de ter a tradicional tela para nomear os personagens, começa já em uma batalha com os 4 personagens controláveis que são Firion , Maria, Gus e Leon, cada um com sua própria história, habilidades e o próprio nome, algo muito importante. No Reino de Fynn, o Imperador Palamencia começa a sua campanha de dominação de todo o mundo, e os protagonistas estão fugindo dos soldados do imperador, após terem a sua vila atacada por eles, sobrevivendo apenas os quatro. Após serem emboscados e ficarem à beira da morte, Firion, Maria e Gus são resgatados pelos homens da Princesa Hilda, que montou uma base rebelde perto da cidade de Altair. Os três decidem se juntar aos rebeldes para vingar o povo de sua vila, assim como reencontrarem o irmão de Maria, Leon. Mesmo com objetivos claros, ao  desenrolar veremos que a história é bem mais complexa, e nos encontramos com outros personagens que nos auxiliam, como o White Mage Minwu, o minerador Joseph, os príncipes de Kashuan Gordon e Scott, a pirata Leila e o Dragoon Ricard Highwind.

Foram adicionadas novas adições à jogabilidade. Mesmo sendo um RPG tradicional, o sistema de evolução é bem peculiar, já que ao invés de ganhar níveis, os atributos são medidos de acordo com o uso. Por exemplo, ao ganhar dano o seu HP e defesa aumenta , ao usar um tipo de arma especifica, a sua aptidão para  usar aquela arma aumenta, bem como aumenta o seu ataque, ao usar uma determinada magia, o nível dela aumenta. Contudo, existe uma série de bugs no jogo, sendo o mais famoso deles envolvendo sistema de evolução. Você podia acionar o comando para atacar, e ao passar o comando para outro personagem e voltar para o primeiro, o comando dado anteriormente ainda era computado, assim como os pontos de experiência. Assim em apenas uma batalha era possível evoluir os seus atributos rapidamente, e para aumentar os pontos ganhos era permitido atacar os membros da própria party.

FF_II_JAP_Battle

"Ih, acho que vamos perder!"

Assim como o seu predecessor, nas lutas eram posicionados 4 personagens, sendo que 3 eram os principais (Firion, Maria e Gus) e o quarto era outro personagem auxiliar, como Minwu, Leila e Leon. Porem você podia posicionar na linha de frente ou de trás (back row), sendo que os da linha de trás são imunes à ataques físicos porem causavam dano através de arcos e mágicas. Os inimigos também seguem o mesmo esquema, podendo ter 8 inimigos na tela, para causar dano físico à linha de trás, a linha da frente deve ser destruída. Outro conceito usado no jogo são as palavras chaves, aprendidas conversando com os NPC (Non-Player Charactere). Ao aprender as palavras chaves, você pode dizê-las a outros NPCs para progredir na história ou conseguir informações úteis.

"Receba esta rosa como parte do meu respeito!"

"Lombardi, qual é a resposta certa?!"

Somos apresentados a dois elementos que também marcarão presença nos próximos jogos. O nome Cid é mencionado no primeiro jogo (Versão Dawn of Souls) como o homem que criou as Airship, porem a partir do segundo jogo, sempre há um personagem chamado Cid, normalmente envolvido com Airships. Porem o outro elemento adicionado aqui são os Chocobos. Chocobos são criaturas parecidas com o Avestruz, de cor amarela, e são encontrados em pequenas florestas de formato circular. Usando eles, a velocidade ao trafegar no mapa-múndi aumenta, alem de não haver batalhas aleatórias.

01

"Olha o Chocobo ai, minha gente!!!"

E indo para a seção “Som Brasil” da série (mentira!), é valido fazermos um adendo à trilha sonora do jogo. Nobuo Uematsu alem de manter os temas mais clássicos como “Prelude”, criou temas novos, principalmente a “Chocobo’s Theme”, musica que toca ao montar em um Chocobo, que mesmo sendo bem simples, ela é extremamente grudenta. Dentre outras, podemos citar:

– “Rebel Army’s Theme

– “Town

– “Main Theme

– “Imperial Army’s Theme

– “Dungeon

– “Airship

– “Finale

As versões das musicas para os remakes de WonderSwan, Game Boy Advance e PSX foram remasterizadas por Tsuyoshi Sekito.

Como o primeiro jogo, o segundo jogo foi bem recebido, apesar das criticas quanto ao método de evolução. O fato dos personagens terem cada um a sua história foi um grande atrativo, bem como os conflitos envolvendo o Império e os rebeldes. Tentaram lançar o jogo para o ocidente, com o subtítulo “Dark Shadow Over Palakia”, porem foi adiado por falta de tempo. Por causa disso, Final Fantasy II foi um dos primeiros títulos da série a ter tradução feita pro fâs, até sair a versão traduzida no Final Fantasy: Origins e Dawn of Souls. Durante as adaptações para outros consoles, os nomes sofreram mudanças. Por exemplo, Firion no NES se chama Firionel, Gus era Guy, e Leon era Lionheart ou Leonheart.

Versão para PSX

Versão para PSX

Sendo bem imparcial, creio que FFII abordou um esquema de evolução de personagens bem interessante, porem foi lançado em uma época errada. Jogos como Fable e Fable 2 são um grande sucesso, e usam um esquema similar de evolução, já que as suas ações influenciam nos poderes dos personagens, e na própria aparência do mesmo. Creio que se esse jogo não fosse Final Fantasy faria um sucesso pela inovação. O esquema de evolução me atrapalhou um pouco, já que para uma magia ser útil, você deve usar ela várias vezes. Até mesmo quando a magia Ultima é adquirida você deve usá-la muito para ser uma magia realmente útil, isso me deixou um pouco frustrado. Mas a história me agradou, já que temos personagens com personalidades próprias, personagens secundários também com uma carga dramática maior que o comum em RPGs, fazendo você se importar com eles, mesmo sabendo que daqui a pouco ele pode sair de seu grupo, ou até mesmo morrer.

Caraca, essa parte me deu um certo trabalho, já que muita gente não é favorável a esse jogo, mesmo sendo um bom episódio da franquia (ou não!). Bom, acho que vocês sabem contar (Ou não. Huahuahua!), então sabem o que esperar. Provavelmente vocês viram o próximo jogo só no Nintendo DS, então antes de tudo, joguem a versão de NES do Final Fantasy III e esperem outra ótima matéria, do que eu acho o melhor jogo a fechar a geração 8 bits de Final Fantasy.

"Lol, eu sei contar!"

"Lol, eu sei contar!"