• _

IPTV Cultura estréia na Campus Party

noreset_especialcampuspartylogologoiptvcultura

cidocoelhoA Fundação Padre Anchieta, que mantém a Televisão Cultura, Rádio Cultura FM, Rádio Cultura AM (Brasil), a TV por assinatura Ra-Tim-Bum e a loja Cultura Marcas, lança aqui no maior evento de Internet e tecnologia do mundo a primeira televisão aberta exclusiva para a internet.

A fundação usará alguns conteúdos da TV Cultura, como vídeos e entrevistas do seu acerto e os alunos e professores de comunicação da Universidade Metodista de São Paulo vão colaborar com a inserção de conteúdo informativo.

A TV Cultura é considerada uma das televisões públicas mais importantes do Brasil e do mundo.

Aqui tem um estúdio com mais de 500 m² que faz a cobertura da Campus Party entrevistando convidados e os internautas podem participar da cobertura enviando textos no site da emissora via internet. Lá também você pode assistir os vídeos no qual os internautas, a Cultura e a Metodista produziram no evento.

Você pode assistir a cobertura que acontece ao vivo no site www.iptvcultura.com.br.

rodape_noresetnet3

Gilberto Gil visita a Campus Party Brasil 2009

noreset_especial
campuspartylogo
3213883120_76d6681305
cidocoelhoO ex-ministro da Cultura apresentou sua visão otimista das novas tecnologias na abertura do espaço de Inclusão Digital.
Após o entusiasmo proporcionado pela palestra de Tim Berners-Lee, os participantes da Campus Party Brasil 2009 ainda contaram na tarde desta terça-feira com a presença de Gilberto Gil. O ex-ministro da Cultura fez parte das atividades do espaço Inclusão Digital do evento e deu uma palestra “ilustrada”, junto a Claudio Prado, ex-coordenador de Políticas Digitais do Ministério da Cultura. A abertura do espaço teve a presença do ministro interino da Cultura, Roberto Nascimento, e de Clarice Coppetti, vice-presidenta de TI da Caixa Econômica Federal.

“É impossível democratizar a cultura do País sem pensar em uma universalização tecnológica”, salientou Nascimento, destacando os Pontos de Cultura e as discussões das adequações das leis de incentivo à cultura às novas tecnologias como exemplos de ações do MinC relacionadas à inclusão digital.

Já Gil apresentou sua relação com a tecnologia desde a infância até os dias de hoje, intercalando sua fala com músicas que sintetizaram cada fase da sua vida pessoal e profissional. “No ano passado, eu estive aqui como ministro e falei sobre a necessidade da politização das tecnologias, mas hoje quero abordar, do ponto de vista pessoal, o temor que existe de que as corporações detenham as designações do que seja a Internet e as novas tecnologias.

A discussão que devemos fazer é sobre o papel da sociedade no mando dos rumos do uso e do significado dessas tecnologias”, avaliou o músico, que brindou o público com canções como “Procissão”, “O Luar”, “Domingo no Parque” e “Cérebro Eletrônico”, enquanto contava sua trajetória, desde a infância na Bahia, passando pelos tempos em São Paulo, o exílio e os recentes trabalhos.

“Somente a partir do disco Quanta é que passei a ter uma visão mais otimista da tecnologia, entendendo que ela podia estar a serviço do homem, ser uma tecnologia humanizada”, acrescentou.

rodape_noresetnet3

“Dragon Quest é o símbolo da cultura de jogos no Japão”, diz Nintendo

noreset_gamenewsdragonquest9logo
Cido CoelhoApós anunciar Dragon Quest X para Nintendo Wii, o presidente da Big N, Satoru Iwata, afirmou que a empresa está disposta em promover o jogo para as bandas ocidentais. De acordo com o executivo, o jogo pode ser um grande rival no Ocidente e continuar a ser um grande sucesso no Japão.

“Com o lançamento de Dragon Quest IX, existem duas coisas que quero tornar realidade. A primeira é criar um mercado de jogos de sucesso no Japão, com a ajuda de Dragon Quest, que rivalize com o mercado ocidental”, comentou.

Além disso, Iwata quer aumentar o número de jogadores e fãns da série, que é um dos símbolos da cultura de jogos no Japão, e acredita que trabalhando em conjunto com a Square Enix pode fazer o Dragon Quest um jogo bem sucedido Ocidente com forte investimento na divulgação da série, como foi feito com o puzzle Brain Age.

“Queremos uma equipe forte para promover o jogo no Ocidente. Na Nintendo pudemos popularizar a série ‘Brain Age’ fora do território japonês, onde as pessoas diziam ser impossível. Agora quero aumentar em todo o mundo o numero de pessoas que entendam o apelo de Dragon Quest, que representa toda a cultura de jogos do Japão, mesmo que consigamos apelar a uma só pessoa. O meu objectivo é trabalhar em conjunto com o senhor Horii e a Square Enix”, explicou com otimismo o executivo da Nintendo.

Lançado em 1986, Dragon Quest encantou todo o território japonês.  Como sempre o jogo foi muito bem visto e vendido no Japão, as vendas internacionais podem ser a grande jogada – certa e pontual – da Nintendo.

rodape_noresetnet2

Momento Cultural Gamer – Biologia

cabeca_momentoculturalgamer

Sonic – Ouriço

sonicourico-1

Knuckles – Eqüidna

knucklesequidna-11

Tails – Raposa

tailsraposa

Rebeca GliosciTodo mundo acha que Sonic e companhia são porcos-espinhos, mas na verdade não são. Sonic e Shadow são ouriços e Knuckles é um eqüidna. Os três são mamíferos muito parecidos por terem pelagem crespa e espinhos, mas são de ordens diferentes.

Os ouriços dão à luz as crias, enquanto os eqüidnas põem ovos, assim como os ornitorrincos. Uma diferença crucial é que os espinhos desses dois animais não se soltam naturalmente nem são venenosos, como nos porcos-espinhos.

Videogame também é cultura!

PS: O Tails é uma raposa. Olha que bonitinha a SEGA passando uma mensagem de paz e amor ao colocar Tails e Sonic como amigos, já que na vida real as raposas estão entre os maiores predadores de ouriços. xD

rodape_noresetnet

Games podem ser proibidos no Afeganistão

Um comitê legislativo do Afeganistão, propôs uma nota que visa aderir à sociedade afegã o “código de moralidade do estilo de vida Taliban”. Estranho né?
Eu explico: Segundo esse código de conduta, as mulheres não poderiam usar maquiagens em público e os garotos não poderiam usar roupas femininas. (?) Talvez eles estejam dizendo que não pode ter EMO por lá.

Outras coisa que pode ser proibida: danças femininas em shows e apresentações, bem como nos programas de TV. Segundo o comitê legislativo, “A mídia em massa precisa evitar transmitir conteúdos que vão contra as morais islâmicas”. É lógico que a emenda também proíbe os games.

E você acha que é só isso? Não! Podem ser proibidas também, as rinhas de galo, as rinhas de cães (Luíza Mel agradece…), jogos de bilhar e música alta em festas de casamento, nesse caso, deve haver um salão separado para os homens e outro para as mulheres e o encontro entre ambos está proibido.

Resumindo: Podem acabar com a diversão da população, já que os games, as rinhas e o bilhar são os principais passatempos do povo afegão.
Quem não cumprir as leis, poderá pagar uma multa de 10 a 100 dólares, dependendo da infração.

Mas nem tudo está perdido: O projeto não foi aprovado ainda. Para que se torne uma lei, a nota precisa ser aprovada pelas duas câmaras do parlamento islâmico e pelo atual presidente, Hamid Karzai (foto).

Hamza Aziz, um dos redatores do Destructoid, escreveu em seu post, que é descente de afegãos. Escreveu coisas belíssimas a favor dos videogames, dizendo que isso é um retrocesso e que as crianças do país já presenciaram muita merda. Concordo plenamente. Mas Hamza disse que o país já estava entrando nos eixos graças à ajuda dos E.U.A. Nessa aula de geopolítica, sinceramente, devo ter faltado, porque essa parte dos fatos realmente desconheço.

Informações com Destructoid

Para Europa game é cultura

EuropaA Comissão Européia aprovou o corte na taxa da indústria de filmes para a indústria de videogames. O pedido foi feito pelo governo francês e o corte vai oferecer 20% de desconto para jogos que têm critérios de qualidade, originalidade e que contribuem à diversidade cultural.

Estimativas apontam que metade dos jogos criados e produzidos no continente europeu possam ter esse benefício.

Essa é uma questão levantada por todo mundo. Alguns países reconhecem os games como “cultura” como o Canadá e outros brigam para ter o reconhecimento como a Austrália, onde o cinema tem 40% do abaimento do imposto.

Bem que no Brasil poderia acontecer algo assim não é?

INFORMAÇÕES COM JOYSTIQ