• _

O Início da Fantasia – Final Fantasy IV

noreset_analise

FfivPSjapanfront

wesleypires_profileColete muitos Gils, compre muitas Potions e Phoenix Downs, eleve o nível de seu personagem ao limite, pois é chegada a hora de retomar a série de matérias sobre a série Final Fantasy. É claro que eu estou falando da série “O Inicio da Fantasia”. É necessário dizer que esta matéria está cheia de SPOILERS?!

"SPOILER, RÁÁÁÁÁÁÁÁÁ!!!"

"SPOILER, RÁÁÁÁÁÁÁÁÁ!!!"

A Era 8 bits havia acabado e novos consoles estavam chegando com a geração 16 bits, trazendo melhorias gráficas, sonoras e trazendo aspectos novos quanto à jogabilidade. A Nintendo estava ganhando certa fama graças ao seu Super Nintendo, principalmente aqui no Brasil, já que empresas trouxeram o console para terras tupiniquins. Quem não se lembra daquele manual que vinha junto com o SNES ensinando os comandos do Super Mario World? E claro que era uma perfeita ocasião para a Square mostrar o que era capaz de fazer em um console 16 bits, e o primeiro jogo da série a se aventurar foi Final Fantasy IV, que foi trazido para a América como Final Fantasy II.

Mesmo continuando com o esquema tradicional de batalhas por turno, uma adição importantíssima para a série, que faz a sua estréia neste jogo é o Active Time Battle (ATB). Não está ligando o nome á pessoa? Sabe aquele momento em que você vai escolher algum comando e o seu inimigo te ataca antes? Pois é, a culpa é do ATB, agora você pode culpar alguém caso perca para algum inimigo. Agora a velocidade do personagem influencia em quem atacará primeiro. O ATB também introduziu o conceito de Preemptive Strike, onde você tem a chance de atacar primeiro, e Back Attack, em que você literalmente é pego com as calças na mão (Rá!). Outra mudança significativa é que cada personagem tem a sua própria classe, deixando de lado o esquema de escolha de classes do FF1 e FF3 e isso influencia nas características, habilidades e também na personalidade de cada personagem. No quesito habilidades, as mágicas não podem ser compradas como nos jogos passados, mas você vai adquirindo elas à medida que o personagem evolui ou de acordo com o decorrer da história, porem isso está restrito apenas aos personagens que podem usar magia.

"Sua Majestade, o senhor é um fanfarrão!"

"Sua Majestade, o senhor é um fanfarrão!"

A história gira em torno de Cecil Harvey, um Dark Knight e comandante dos Red Wings, uma poderosa força militar aérea a serviço do Reino de Baron. Ao seguir com a campanha por nações pacificas para obter os cristais referentes aos 4 elementos, Cecil questiona se é certo continuarem com isso, o que acaba sendo destituído de seu posto e mandado em outra missão juntamente com seu amigo Kain Highwind. A partir daí, vários personagens são introduzidos no jogo:

Cecil Harvey: Um Dark Knight a serviço do reino. Depois de ser deposto de seu cargo, se torna um Paladino, podendo usar algumas magias brancas e a habilidade Cover, que permite receber dano no lugar de outro companheiro.

Kain Highwind: Um poderoso Dragoon a serviço do Reino. Após desaparecer depois do incidente no vilarejo de Mist, reaparece sob o comando de Golbez. A habilidade Jump dele é muito útil, que faz você saltar fora da tela e em seguida você “pousa” na cabeça do inimigo.

Rosa Joanna Farrel: Uma habilidosa arqueira e White Mage a serviço do reino, é amiga de Kain e Cecil, tendo uma relação próxima com Cecil (entenda: namoro). O lado bom é que ela não morre no primeiro CD.

Rydia: Uma das moradoras do Vilarejo de Mist, que foi atacada pela “encomenda” levada por Cecil e Kain, que acaba se unindo a Cecil. Inicialmente ela é capaz de usar White e Black Magics, alem de Summons, porem no desenrolar da história, ela volta mais velha e podendo usar Summons mais poderosos. Ou seja, Leviathan e Bahamut é só com ela, meu querido.

"Leviathan apareceu! Rydia, jogue a pokebola!"

"Leviathan apareceu! Rydia, jogue a pokebola!"

Cid Pollendina: É o construtor e mecânicos das Airships de Baron. Muito amigo de Cecil, o ajuda quando descobre que o Rei era na verdade um monstro. Ele usa uma chave inglesa como arma (!), portanto espere uma força ignorante vindo dele. Mentira!

Edward Cris von Muir : Bardo que nasceu em Damcyan, apaixonado por Anna. Após ver os Red Wings bombardear Damcyan e ver Anna morrer, Edward decide se juntar a Cecil. Em algumas traduções, é usado o nome Glbert ao invés de Edward. Quem usa uma Lira como arma não deve ser alguém forte, concorda?!

Tellah: Um poderoso mago que esqueceu as suas magias ao ter sua filha Anna raptada por um bardo (Edward). Ao ver que sua filha estava morta, protagoniza junto com Edward a cena com a tradução mais lembrada pelos fãs da série. Após Cecil se tornar um Paladino, ele relembra de todas as magias, inclusive a lendária magia Meteor. Porem como esse velho não passa dos 90 MP, ele não pode usá-la.

"Seu bardo meloso!"

"Seu bardo meloso!"

Yang Fang Leiden: Um monge do Reino de Fabul, que é ajudado por Cecil ao ser atacado no Mt. Hobs por monstros de Golbez. Após ter o cristal de seu reino roubado pro Kain, Yang decide se unir a Cecil para obter de volta os cristais. Ele usa as mãos vazias para lutar, mas pode usar garras para causar algum dano Elemental ou status, sem contar que pode concentrar o seu golpe, causando o dobro de dano.

Palom e Porom: Uma dupla de magos aprendizes da cidade de Mysidia, e apesar de serem irmãos, suas habilidades e personalidades são bem diferentes. Palom é usuária de White Mage,e é muito educada e formal, enquanto Porom usa Black Mage e é um fanfarrão, convencido e se acha o gostosão daqui. Quando os dois usam a habilidade Twincast, podem conjurar magias poderosas que causam dano massivo em todos os inimigos.

Edward Geraldine (EDGE): Principe de Eblan e um habilidoso ninja alem de mulherengo e fanfarrão. Após ser derrotado por um dos monstros de Golbez e ser ajudado por Cecil, decide se unir a ele, após dar uma cantada sem vergonha em Rydia. EDGE pode usar duas armas, alem de ter a habilidade Throw, que permite jogar qualquer coisa que tiver, o que torna um personagem extremamente útil.

Fusoya: Fusoya é um Lunarian, que reside na Red Moon, que após ser acordado de seu sono se une a Cecil e fala sobre os Lunarians e sobre o pai de Cecil. Fusoya usa tanto Black quanto White Magic e sabe todas elas, mesmo tendo o seu MP limitado a apenas 190. Sem contar que ele traiu o movimento, pois é o único que está virado para a direita na tela principal.

Golbez: Quando Cecil sai do comando dos Red Wings, Golbez assume o posto, com a missão de possuir todos os cristais. Golbez comanda os 4 Lordes Elementais (Elemental Lords), que são Scarmiglione, Cagnazzo, Barbariccia e Rubicant. Mais à frente descobre que Golbez era controlado pelo Lunarian Zemus. Não é um personagem jogável.

Algumas imagens do jogo:

099

001

A profecia

A profecia

"Super Gemêos, ativar!"

"Super Gêmeos, ativar!"

186

CG de FFIV, na versão do DS

CG de FFIV, na versão do DS

Final Fantasy IV foi o primeiro que teve uma grande variedade de personagens jogáveis, cada um com o seu próprio background. Por conta disso, o jogo foi um sucesso no SNES e teve versões para outras plataformas, como o Playstation, Game boy Advance e mais recentemente no Nintendo DS, todos trazendo melhorias como adição de sidequests, CGs, gráficos em 3D (na versão para DS), entre outras. Um jogo que merece ser citado é o Final Fantasy IV: The After Years, que mostra uma outra história envolvendo os personagens 17 anos após os acontecimentos  do primeiro jogo, e incluindo Ceodore Harvey, filho de Cecil e Rosa, e Golbez como personagens jogáveis. Inicialmente este título seria apenas para os celulares japoneses, porem estará (ou está, depende de quando ler isso) disponível na Wiiware.

Cast de FFIV - The After Years

Cast de FFIV - The After Years

Agora que vem a parte complicada: a escolha das musicas a serem mencionadas neste post. A trilha sonora do FFIV é bem extensa, e há muitas musicas marcantes, como exemplo a “Theme of Love” e “Rydia”, outras mais tradicionais que ganharam um toque mais requintando por conta dos recursos do SNES, como a “The Prelude”, que não poderia faltar. Mas destaque todo especial para “Samba de Chocobo”, que junta o tema tradicional dos Chocobos com um ritmo bem brasileiro que todos conhecem. Abaixo alguns adendos musicais, não foi fácil escolher elas, culpa do Nobuo Uematsu que continua nos dando duvidas:

– “Prologue

– “Main Theme

– “Fight 1

– “Cry in Sorrow – Part2” (Você verá composições muito parecidas com esta daqui para frente)

– “The Dreadful Fight” (Foi rearranjada pela banda The Black Mages)

– “The Final Battle” (Também rearranjada pela banda The Black Mages)

Eu gostaria de escrever mais, mas se eu aumentasse este artigo tornaria este texto enfadonho por demais, logo encerro por aqui. Espero não tardar a fazer a próxima matéria, que nem preciso dizer de que jogo será, certo?!

pastor_zangief1

Será sobre Street Fighter?!

Colete muitos Gils, compre muitas Potions e Phoenix Downs, eleve o nível de seu personagem ao limite, pois é chegada a hora de retomar a série de matérias sobre a série Final Fantasy. É claro que eu estou falando da série “O Inicio da Fantasia”. É necessário dizer que esta matéria está cheia de SPOILERS?!

A Era 8 bits havia acabado e novos consoles estavam chegando com a geração 16 bits, trazendo melhorias gráficas, sonoras e trazendo aspectos novos quanto à jogabilidade. A Nintendo estava ganhando certa fama graças ao seu Super Nintendo, principalmente aqui no Brasil, já que empresas trouxeram o console para terras tupiniquins. Quem não se lembra daquele manual que vinha junto com o SNES ensinando os comandos do Super Mario World? E Claro que era uma perfeita ocasião para a Square mostrar o que era capaz de fazer em um console 16 bits, e o primeiro jogo da série a se aventurar foi Final Fantasy IV, que foi trazido para a América como Final Fantasy II.

Mesmo continuando com o esquema tradicional de batalhas por turno, uma adição importantíssima para a série, que faz a sua estréia neste jogo é o Active Time Battle (ATB). Não está ligando o nome á pessoa? Sabe aquele momento em que você vai escolher algum comando e o seu inimigo te ataca antes? Pois é, a culpa é do ATB, agora você pode culpar alguém caso perca para algum inimigo. Agora a velocidade do personagem influencia em quem atacará primeiro. O ATB também introduziu o conceito de Preemptive Strike, onde você tem a chance de atacar primeiro, e Back Attack, em que você literalmente é pego com as calças na mão (Rá!). Outra mudança significativa é que cada personagem tem a sua própria classe, deixando de lado o esquema de escolha de classes do FF1 e FF3 e isso influencia nas características, habilidades e também na personalidade de cada personagem. No quesito habilidades, as mágicas não podem ser compradas como nos jogos passados, mas você vai adquirindo elas à medida que o personagem evolui ou de acordo com o decorrer da história, porem isso está restrito apenas aos personagens que podem usar magia.

A história gira em torno de Cecil Harvey, um Dark Knight e comandante dos Red Wings, uma poderosa força militar aérea a serviço do Reino de Baron. Ao seguir com a campanha por nações pacificas para obter os cristais referentes aos 4 elementos, Cecil questiona se é certo continuarem com isso, o que acaba sendo destituído de seu posto e mandado em outra missão juntamente com seu amigo Kain Highwind. A partir daí, vários personagens são introduzidos no jogo:

Cecil Harvey: Um Dark Knight a serviço do reino. Depois de ser deposto de seu cargo, se torna um Paladino, podendo usar algumas magias brancas e a habilidade Cover, que permite receber dano no lugar de outro companheiro.

Kain Highwind: Um poderoso Dragoon a serviço do Reino. Após desaparecer depois do incidente no vilarejo de Mist, reaparece sob o comando de Golbez. A habilidade Jump dele é muito útil, que faz você saltar fora da tela e em seguida você “pousa” na cabeça do inimigo.

Rosa Joanna Farrel: Uma habilidosa arqueira e White Mage a serviço do reino, é amiga de Kain e Cecil, tendo uma relação próxima com Cecil (entenda: namoro). O lado bom é que ela não morre no primeiro CD.

Rydia: Uma das moradoras do Vilarejo de Mist, que foi atacada pela “encomenda” levada por Cecil e Kain, que acaba se unindo a Cecil. Inicialmente ela é capaz de usar White e Black Magics, alem de Summons, porem no desenrolar da história, ela volta mais velha e podendo usar Summons mais poderosos. Ou seja, Leviathan e Bahamut é só com ela, meu querido.

Cid Pollendina: É o construtor e mecânicos das Airships de Baron. Muito amigo de Cecil, o ajuda quando descobre que o Rei era na verdade um monstro. Ele usa uma chave inglesa como arma (!), portanto espere uma força ignorante vindo dele. Mentira!

Edward Cris von Muir : Bardo que nasceu em Damcyan, apaixonado por Anna. Após ver os Red Wings bombardear Damcyan e ver Anna morrer, Edward decide se juntar a Cecil. Em algumas traduções, é usado o nome Glbert ao invés de Edward. Quem usa uma Lira como arma não deve ser alguém forte, concorda?!

Tellah: Um poderoso mago que esqueceu as suas magias ao ter sua filha Anna raptada por um bardo (Edward). Ao ver que sua filha estava morta, protagoniza junto com Edward a cena com a tradução mais lembrada pelos fãs da série. Após Cecil se tornar um Paladino, ele relembra de todas as magias, inclusive a lendária magia Meteor. Porem como esse velho não passa dos 90MP, ele não pode usá-la.

Yang Fang Leiden: Um monge do Reino de Fabul, que é ajudado por Cecil ao ser atacado no Mt. Hobs por monstros de Golbez. Após ter o cristal de seu reino roubado pro Kain, Yang decide se unir a Cecil para obter de volta os cristais. Ele usa as mãos vazias para lutar, mas pode usar garras para causar algum dano Elemental ou status, sem contar que pode concentrar o seu golpe, causando o dobro de dano.

Palom e Porom: Uma dupla de magos aprendizes da cidade de Mysidia, e apesar de serem irmãos, suas habilidades e personalidades são bem diferentes. Palom é usuária de White Mage,e é muito educada e formal, enquanto Porom usa Black Mage e é um fanfarrão, convencido e se acha o gostosão daqui. Quando os dois usam a habilidade Twincast, podem conjurar magias poderosas que causam dano massivo em todos os inimigos.

Edward Geraldine (EDGE): Principe de Eblan e um habilidoso ninja alem de mulherengo e fanfarrão. Após ser derrotado por um dos monstros de Golbez e ser ajudado por Cecil, decide se unir a ele, após dar uma cantada sem vergonha em Rydia. EDGE pode usar duas armas, alem de ter a habilidade Throw, que permite jogar qualquer coisa que tiver, o que torna um personagem extremamente útil.

Fusoya: Fusoya é um Lunarian, que reside na Red Moon, que após ser acordado de seu sono se une a Cecil e fala sobre os Lunarians e sobre o pai de Cecil. Fusoya usa tanto Black quanto White Magic e sabe todas elas, mesmo tendo o seu MP limitado a apenas 190. Sem contar que ele traiu o movimento, pois é o único que está virado para a direita na tela principal.

Golbez: Quando Cecil sai do comando dos Red Wings, Golbez assume o posto, com a missão de possuir todos os cristais. Golbez comanda os 4 Lordes Elementais (Elemental Lords), que são Scarmiglione, Cagnazzo, Barbariccia e Rubicant. Mais à frente descobre que Golbez era controlado pelo Lunarian Zemus. Não é um personagem jogável.

Final Fantasy IV foi o primeiro que teve uma grande variedade de personagens jogáveis, cada um com o seu próprio background. Por conta disso, o jogo foi um sucesso no SNES e teve versões para outras plataformas, como o Playstation, Game boy Advance e mais recentemente no Nintendo DS, todos trazendo melhorias como adição de sidequests, CGs, gráficos em 3D (na versão para DS), entre outras.

Agora que vem a parte complicada: a escolha das musicas a serem mencionadas neste post. A trilha sonora do FFIV é bem extensa, e há muitas musicas marcantes, como exemplo a “Theme of Love” e “Rydia”, outras mais tradicionais que ganharam um toque mais requintando por conta dos recursos do SNES, como a “The Prelude”, que não poderia faltar. Mas destaque todo especial para “Samba de Chocobo”, que junta o tema tradicional dos Chocobos com um ritmo bem brasileiro que todos conhecem. Abaixo alguns adendos musicais, não foi fácil escolher elas, culpa do Nobuo Uematsu que continua nos dando duvidas:

– “Prologue

– “Main Theme

– “Fight 1

– “Cry in Sorrow – Part2” (Você verá composições muito parecidas com esta daqui para frente)

– “The Dreadful Fight” (Foi rearranjada pela banda The Black Mages)

– “The Final Battle” (Também rearranjada pela banda The Black Mages)

Eu gostaria de escrever mais, mas se eu aumentasse este artigo tornaria este texto enfadonho por demais, logo encerro por aqui. Espero não tardar a fazer a próxima matéria, que nem preciso dizer de que jogo será, certo?!

9 Respostas

  1. Puta merda cara, ta ai um baita dum jogão!!!!
    Mandou bem na coluna ^^

  2. Palom e Porom!!!!!!! \o/

    Super texto, como sempre! xD

    E cara, essa última gif aí, se vc ficar olhando por muito tempo parece que ela vai aumentando a velocidade… hahahahaha

  3. Ah, o Final Fantasy IV… Eu terminei na versão do PlayStation há alguns anos, e ainda pretendo jogar também o remake de DS, para não esquecer do The After Years. História sensacional, elenco de aventureiros memorável… Está entre os meus preferidos junto com o FFVI e o FFVII. É o primeiro da série com uma cara mais moderna, por conta da profundidade dos personagens como você disse.

    Falando da trilha, é uma pena que seja um dos jogos com músicas menos arranjadas pelos Black Mages. Convenhamos, duas faixas em três álbuns é muito pouco.

    O mesmo se aplica aos concertos. Os mais recentes só ficam na “Theme of Love”, mas no Orchestral Game Concert 1 além desta teve outras duas que gosto bastante:

    “Red Wings”
    http://www.goear.com/listen/ef340c9/Red-Wings-tokyo-city-philharmonic-orchestra

    “Ending Theme”
    http://www.goear.com/listen/3937e40/Ending-Theme-%5BFinal-Fantasy-IV%5D-tokyo-city-philharmonic-orchestra

    Na espera pelo texto do injustiçado FFV!

  4. Namastê criancas…hehehehehe…

    Bom, chovendo no molhado, FF IV é um dos meus favoritos…

    adoro a historia, os personagens, os atrativos mitológicos adicinados neste capitulo e a longevidade do jogo…

    OBS> nao é uma longevidade enfadonha e massacrante como Final Fantasy II, pelo contrario… hehehehe… mas aquela dungeon na lua…..ohhhh meu Zeus, paciencia praquilo………….

    Ah sim, e o imperdoável fato de ter sido lancado à época como Final Fantasy II no Ocidente… tudo bem, ja passou, ja passou…….

    Destaques do jogo? Ora bolas! O sacrificio de Palom e Porom, quando Cecil se torna um Paladino e claro, quando ele descobre que Golbez é na verdade seu irmao!

    UGh…. hehehehehehhe… só por isso, ja vale jogar TODAS as versoes do jogo disponiveis….

    Tmb espero pelo injusticado e um dos melhores da serie, FF V…

    Congratulations Tio Wess…….

  5. Thanks for the comments, people.

    @Alexei
    Pior q

  6. Thanks for the comments

    @Alexei
    De fato, o FFIV é o que vejo menos arranjos, e pior que há muitas musicas boas na playlist. A Red Wings, mencionada em seu coment é um bom exemplo, pois já começa o jogo com ela. Mas eu voltei a jogar o FFV para o SNES e acho que a duvida será maior quanto a escolha de musicas desse jogo.

    @Tio Bruno
    Oi, você vem sempre aqui? Heheheheheheh.
    Pior que voltei a jogar o FFV há pouco tempo, e já comecei a empacar em lugares para upar as jobs. Ehhh vicio =P

  7. @Tio Wess, procure as Quimeras, perto do Castelo do fogo – apos destrui-lo Karnac, se nao me engano, antes de chegar na biblioteca…

    Nao dao muuita exp. masssss dao enorrrrmeeess quantidades de ABP pra suas jobs… claro, existem outros locais, mas só mais la pra frente, quando voce puder voar no navio voador… nem precisa mencionar isso ne?

    Ah sim… a torre da fenix, com seus vaaaaarioss andares, laaaa na frente, perto do fim do jogo é um dos melhores locais pra exp. tmb…….mas, claro, voce ja sabia disso..hehehehhee…

    Outra coisa… na proxima resenha, se voce nao dedicar um PARAGRAFO inteiro as batalhas aleatorias contra GILGAMESH eu nao te perdoo…… rhun.

    Abracos.

    e sim, eu venho sempre aqui… quando o trocado do onibus da, eu venho.

  8. Palom & Porom! \o/

    Prefiro eles assim…

    Do que assim…

  9. @Bebs
    Tu viu a imagem do After Years? Ali eles estão diferentes horrores, já que se passa 17 anos após o jogo original.

    @Tio Bruno
    Pior que sei destes lugares, Tio Bruno. o FFV foi o que eu mais destrinchei, junto com o FFVI. O inimigo da Phoenix Tower é o Magic Pot, que pede elixir e lhe dá 100 ABP, lá que eu evoluo a habilidade Doublecast (ou x-magic). Gilgamesh é impossivel não mencionar, o cara tem até musica própria. Adoro a musica “Clash on the Big Bridge” que toca na parte da ponte e no ataque ao castelo de Exdeath.
    Mas isso eu mencionarei no post, aguardem =D

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: